MMF ENTREVISTA #6 - Alec Silva



 
Mais uma quinta feira ensolarada de calor insuportável. Mais um MMF Entrevista. Hoje conversamos com o autor baiano Alec Silva, que nos prova que a criatividade da Bahia vai muito além das letras de Axé.
Raulzito agradece.

Vamos conhecê-lo?

No skoob: Irresponsável que escreve séries de livros de autobiografia fantástica, contos seriados, livros de fantasia e de fantasia cientítica.
No Twitter: Escritor disléxico, estudante de História, quero ser arqueólogo, já que Paleontologia tá difícil. Agnóstico, meu lugar no Inferno é uma suíte presidencial.
No seu blog: Um dia descobri que era capaz de criar histórias para meus brinquedos e assim passei minha infância, ora sendo um fazendeiro, ora sendo um grande soldado. Cresci e resolvi tentar escrever, tornando-me um pseudoescritor, protótipo de poeta e dramaturgo. Tentei publicar alguns livros, mas uma visita de Zarak e publiquei uma coletânea de noveletetas primeiro. Hoje me divido entre fingir ser um garoto normal e ser um louco nas horas vagas, quando realmente sou eu mesmo.



CONHEÇA A OBRA:

Guerra dos Criativos



Zarak, o Monstrinho: e Outras Noveletas Fantásticas


Ariane




O Natal de Zarak

Ninho de Dracogrifos



Os Sonhos de Cassandra

Contatos do autor na internet:



ENTREVISTA

1. Você se lembra do primeiro livro que leu na vida? Que idade tinha?
R.: Meio difícil me lembrar, mas posso mencionar os gibis da Turma da Mônica; não que eu soubesse ler na época que me deparei com um, porém aquelas imagens sequenciais compunham uma história, certo? E aquilo me fascinou demais. Dali em diante, eu ficava desenhando letras de embalagens e folheando revistas até que aprendi a ler e pude conhecer os livros; acho que eu tinha uns onze anos quando li o primeiro livro, se não me engano.

2. Qual o seu maior ídolo na literatura?
R.: Monteiro Lobato.

3. Como funciona seu processo criativo?

R.: Eu sempre comento com quem quer escrever que o processo varia de autor a autor. O meu, por exemplo, envolve me cercar de revistas, livros, filmes, imagens, informações e deixar tudo se misturar até que apareça uma ideia. Aí o passo seguinte é definir algumas coisas, como título e premissa básica para poder começar.
4. Qual o seu livro de cabeceira neste exato momento?
R.: Estou com uns quatro pelo menos. Há uma enciclopédia sobre pesadelos muito bacana, que está me ajudando a preparar uma história e, eventualmente, outras a seguir; há um livro de história de religiões para o curso que estou fazendo; um sobre dinossauros, que é meu assunto preferido, lado a lado com mitologias; e um livro de “autoajuda” bem prático.
5. Fale um pouco sobre o que os leitores encontraram em “A Guerra dos Criativos”.
R.: Um livro de camadas. Tem aventura, daquele tipo que é bem comum num filme da Sessão da Tarde dos anos 1990, sabe? Tem a parte autobiográfica, que é um meio que achei para desabafar um pouco. E há uma história simbólica sobre crescimento e decisões que a vida nos obriga fazer. Há quem diga que o romance ainda faz uma metaficção, ou seja, todo o percurso até o final é quase a descrição do processo de escrita de um livro. Cada leitor vai encontrar alguma camada ali que será mais agradável ou não; eu me espanto com a complexidade que a coisa toda acabou ganhando, afinal era apenas uma história para passar o tempo quando a escrevi.
6. Hoje vemos (centenas de) dúzias de novos autores independentes. Se destacar nessa enorme seara é uma missão tortuosa e longa. Como tem sido sua experiência ao divulgar sua obra de forma independente? E quais as maiores dificuldades?
R.: Então, eu sou um autor meio descompromissado quanto a querer vender e vender. Na verdade, quem me acompanha sabe que eu procuro mais é ter leitores do que compradores para minhas histórias. Volta e meia na Amazon um de meus trabalhos literários está de graça ou, se não posso fazer isso, mantenho um valor fixo muito baixo. Paralelo a isso, estou postando vez ou outra alguma resenha que surja e informações extras sobre o livro, recolhendo comentários para melhorar alguma coisa e planejando ampliar o alcance da obra. A maior dificuldade é a resistência do leitor em se atrever a ler um livro de alguém que é um desconhecido.
7. Com tem sido a respostas dos leitores?
R.: Mista. Os leitores que aceitaram o convite, como costumo falar, acabam se empolgando com a ideia de uma autobiografia com elementos de fantasia; e a leitura costuma fluir até bem para eles, e as respostas são animadoras, o que me fez investir mais em A Guerra dos Criativos do que nos outros projetos. Cada um que me dá um retorno acaba contribuindo para que eu reveja pontos e consiga assim manter a qualidade.
8. Como você vê o papel dos blogs literários na jornada do autor independente.
R.: Por algum motivo, eu não faço parcerias com blogs literários, mas acabo por doar algum livro quando posso. Contudo, recomendo essas parcerias para quem quer angariar espaço; existem blogueiros que querem ajudar de verdade, e são eles quem devem ser procurados.
9.  Sei que você tem um novo (ou novos) projeto sendo escrito. Pode falar um pouco sobre ele(s)?
R.: Então, acho que vou me prender a três deles. O primeiro é uma série de cinco livros que deriva de um evento que passou despercebido de todos os leitores de A Guerra dos Criativos; o primeiro volume já está pronto, mas ainda passará por revisões e todo o processo editorial básico; acho que entre abril e maio de 2015 já esteja disponível na Amazon. O segundo, ainda para este ano, é um romance de fantasia científica que se passa na cidade em que moro; será uma obra de aventura com alienígenas, robôs gigantes, monstros mitológicos e viagens no tempo e espaço, possuindo uma pegada bem solta e próxima das histórias em quadrinhos. E o terceiro é um romance de fantasia sombria, que espero disponibilizar a partir de fevereiro no Wattpad; trata-se de uma história no mundo dos sonhos e pesadelos, inspirada no folclore português principalmente.
10.  Uma das grandes dificuldades do autor independente é conseguir oferecer seu livro por um preço mais módico. Por outro lado, os e-books são bem mais baratos que os oferecidos por grandes editoras. Como você tem percebido as preferências de seus leitores? Eles ainda preferem a versão física, mesmo com a diferença considerável no custo?
R.: É algo bem variado. Alguns não compram o físico por achar muito caro, o que não é, se comparado ao valor que paguei na gráfica por cada um; e outros não querem o e-book porque não leem nada virtual. Mas, no geral, há quem se dê bem em qualquer formato e acaba aproveitando as promoções de e-books gratuitos que faço vez ou outra na Amazon.
11. Você tem o costume de ler livros em formato digital?
R.: Sim, pouco, mas leio. Como sofro de leve miopia, não forço muito os olhos, porém, se a história me agrada, encaro numa boa uma tela de computador.
12.  Você é um escritor de Fantasia. Além desse estilo, tem a pretensão/intensão de se aventurar em outro gênero?
R.: A fantasia por si só é bem ampla. Eu gosto sempre de misturar e testar gêneros, ver quais se encaixam mais com a história que quero contar. Já fiz passeios pelo horror e ficção científica. Atualmente, transito entre esses três gêneros com mais frequência, incrementando elementos diversos para criar minhas insanidades.
13.  Você tem o costume de ler obras de novos autores independentes? Se sim, pode citar algumas (quantas quiser) que mereçam ser mencionadas?
R.: Sim, leio. Dentre eles, posso citar Alfer Medeiros, que hoje está mais bem situado entre os livros, assim como Eric Musashi, que me ajudou no processo de melhoria de minhas histórias; há ainda Kamila Zöldyek, que fez a capa de A Guerra dos Criativos, Susy Ramone, que se consolidou como uma grande escritora de horror... enfim, a lista é meio extensa.




14.  Na sua opinião, que é o melhor escritor brasileira da nova geração?
R.: Ainda não o conheci. Talvez um dia saibamos. Pode demorar para que tenhamos certeza. Eu ainda não sei.
15. Qual foi o tempo de produção de Guerra dos Criativos, desde o surgimento da idéia até ter em mãos o livro pronto?
R.: Escrevi tudo num período de nove meses, uma gestação completa. De escrito até a primeira tiragem, se não me engano, foram mais de um ano e meio a dois.

16. Paralelo à carreira literária, você exerce outra atividade? Como tem feito para conciliar as duas atividades, e em que ponto as duas se convergem?
R.: Eu sempre digo que existe o Alex e o Alec. Um é aquele que vai para o banco, para a faculdade, para o trabalho. E o outro é o que vive e escreve literatura. Mais ou menos como o médico e o monstro. E ambos se dão super bem.
17.  O que você diria aos futuros escritores, que desejam mostrar ao mundo as histórias que povoam suas mentes?
R.: Sejam vocês mesmos. Aprendam com seus erros. Não tentem ser outra pessoa, um autor que admiram. Jamais façam isso.
18. Qual é o seu personagem preferido em sua obra publicada?
R.: Com certeza é o Zarak, e por motivos bem óbvios para quem já leu o livro.

19.  O que você tem a dizer a quem ainda não leu “A Guerra dos Criativos” ou qualquer outra obra de sua autoria?
R.: Aceitem o convite irrecusável e tentem ler os primeiros capítulos. Há de graça pela Internet muitos capítulos iniciais. Podem ser encontrados no Wattpad e no Bookess, por exemplo.
20.         Se A Guerra dos Criativos for para a tela grande, o que não poderia faltar? E quem seria o Diretor ideal?
R.: Muitos efeitos especiais. E seria obrigatório o Zack Snyder na direção, pois ele saberia fazer algo bacana.


21.  Como e quando “Zarak” surgiu em sua vida? Como é a relação de vocês atualmente?
R.: Zarak é minha imaginação personificada, eu acho. O personagem mais antigo que tenho, que me acompanha desde 2004 ou 2005, eu acho. Uma amizade que durou uns 9 ou 10 anos.

22.        A ideia de uma autobiografia fantástica é singularmente original. Como surgiu essa ideia?
R.: Como toda ideia absurda ou maluca: do nada. Eu havia escrito um conto ainda no Ensino Fundamental com Zarak, contudo o perdi. Em 2010 recontei, agora numa forma de alegoria sobre o bloqueio criativo. E me senti inclinado a ser o protagonista. De lá para cá, somam-se uma noveleta, uma novela de natal e um romance de aventura nesse esquema; e uma série de fantasia científica, claro.

23.  Para finalizar, diga o que quiser, dê um recado aos seus atuais e futuros leitores. Reclame, xingue. Fique a vontade.
R.: Jamais desistam de um sonho; às vezes é tudo o que resta para nortear toda uma vida.
Por hoje é só pessoa!
 

 
Agradeço imensamente ao Alec Silva por aceitar participar dessa entrevista.
Se você é autor e também quer conversar com o MMF, mande um email para mmundinhof@yahoo.com.br, que teremos o maior prazer de bater um papo sobre o árduo mundo da literatura independente.




 .

31 comentários

  1. Mais um Silva, haha! Muito boa a entrevista, parabéns Alec =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia a Guerra dos Criativos, é uma loucura!

      Excluir
    2. Obrigado, Peterson!
      =)

      E agradeço ainda ao Samuel pela chance de falar um pouco sobre mim e meus livros.

      Excluir
  2. Não conhecia o autor, então foi bom saber um pouco sobre ele, seus livros e seu processo criativo. Gostei bastante da sinopse de Ariane e vou dar uma olhada no Amazon.
    Não consigo imaginar como seria escrever 3 livros diferentes ao mesmo tempo!
    Desejo muito sucesso ao autor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. =)
      Eu tenho um carinho muito especial por "Ariane", Pamela. Espero que curta quando ler.

      E escrever 3 livros ao mesmo tempo exige muita atenção e cuidado, pois a gente sempre acaba misturando as histórias. =P

      Excluir
  3. Eu não conhecia o autor, e adorei conhece-lo! Assim que possível vou começar a ler os livros deles! Desejo tudo de bom para ele e que ele continue escrevendo livros maravilhosos!

    ResponderExcluir
  4. Como assim ele é meu conterrâneo e eu ainda não o conhecia? Adorei a entrevista, com certeza vou correr atrás dos livros e de saber mais sobre ele. Um dia ainda publico um meu também. Histórias como a dele que me dá esperança com a nossa rica literatura nacional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ^_^
      Eu agradeço, Mallu!
      E continue na luta; ela é árdua, mas gratificante.

      Excluir
  5. Aaah, eu também comecei com a turma da mônica ♥ Até hoje gosto xD
    Não conhecia o autor ainda, mas os livros dele (e ele) parecem ser bem legais, vou procurar mais a respeito ^^

    Beijo :*
    www.tainahrodrigues.com
    fantasiandocomoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. =)
      Turma da Mônica é a infância de muitos, né?

      Obrigado pelo interesse em meus filhotes literários. ^_^

      Excluir
  6. Fala Samuel! Tudo beleza?
    Eu tinha visto o Guerra dos Criativos em um dos vídeos da Bruna do Papo de Estante e achei bem bacana, sou apaixonado por fantasia e o livro tem um dragão na capa. Praticamente já me ganhou nisso rsrs.

    Um tempinho depois o ebook estava gratuito na amazon e acabei baixando. Estou para efetuar a leitura, só não sei quando rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você teria o link do vídeo, Gabriel?

      Espero que aprecie a leitura! :)

      Excluir
  7. Oi, eu não conhecia o autor, mas ele parece ser muito simpático e divertido. Gostei das respostas que ele deu.

    Acho que o livro deve ser bem interessante.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Bru..
    Nossa não conhecia o autor, mas ele já escreveu bastante coisa né..
    E começou assim como eu lendo Gibi da Monica..hehe
    Ele é tão novinho e já tão apaixonado pela leitura/escrita assim.. isso é ótimo.

    beijos
    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio, mas não sou tão novinho assim. =P

      Excluir
  9. Nossa que cara maneiro hahaha olha eu falando na gíria, eu nunca tinha ouvido falar dele, mas adorei conhecer, deu para perceber que ele tem esse estilo meio sombrio, e eu gosto muito, os autores que ele citou eu nunca tinha ouvido falar, irei procurar mais sobre ele e os autores, amei a entrevista, sempre é bom conhecer autores novos.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São ótimos autores. Para todos os gostos! =)

      Excluir
  10. Não conhecia o autor e nenhum dos livros e me interessei bastante. Vou procurar saber um pouco mais. Mas enfim... Desejo sucesso ao Alec!!

    Beijos. Yo
    http://oparaisodoleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Samuel,
    tudo bem?
    A cada dia gosto mais de suas entrevistas. Parece sempre um bate papo entre amigos. Não conhecia o autor, sua história chamou minha atenção no quesito mitologia e fantasia, pois gosto muito dos dois gêneros.
    Realmente, misturar fantasia em uma autobiografia foi inovador, deve ter ficado bem interessante. Desejo ao autor muito sucesso nessa caminhada.
    Beijinhos.
    cila-leitora voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Samuel, tudo bom?
    Digo e repito que sempre é muito bom conferir essas entrevistas por aqui. Acho tão interessante entender como funciona a criação para um autor e todo o trabalho que ele tem para criar uma história do zero. O que o Alec escreve é algo muito inovador e desejo somente coisas boas para a carreira dele.
    beijos!!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia o autor, mas a entrevista foi boa para conhecer mais um pouco sobre a literatura dele e também sobre o processo criativo.
    Achei muito interessante quando ele disse que prefere encontrar leitores à compradores. É difícil encontrar autores assim.
    Espero gostar bastante dos livros do autor.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista

    ResponderExcluir
  14. Bruna:
    A descrição de si mesmo feita pelo seu entrevistado, é autêntica e divertida.
    Eu tive coleção de gibis, o que despertou meu interesse e paixão pela leitura.
    Achei fantástica suas perguntas e a forma como conduziu a entrevista.
    Parabéns ao Alec pelas brilhantes respostas e a você pelas perguntas inteligentes.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia o autor, mas gostei bastante de saber sobre o seu trabalho e seu ponto de vista sobre a literatura. Notei que temos várias divergências (haha), mas isso apenas me deixou mais interessada em ler algo de sua autoria. Ele está certo em dizer que é um atrevimento ler algo de um autor desconhecido. Infelizmente, há leitores que não dão tal passo. Acho que a blogosfera permite a eles, ao menos, um pouco do contato com estes autores para divulgá-los. :)
    Gostei das perguntas! Nada superficiais…
    Sucesso ao blog, ao entrevistador e ao autor! \õ/

    www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Adorei a entrevista, é sempre bom conhecer mais dos autores que lemos, principalmente sendo ele da nossa terrinha.
    Achei o autor super simpático e logo concordei quando ele citou o Monteiro ^.^

    ResponderExcluir
  17. Que demais a entrevista, ainda não conhecia o autor e suas obras e adorei saber mais sobre ele! Achei os livros bem interessantes, deve ser mesmo um ótimo autor! :)
    beijos

    ResponderExcluir
  18. Olá Alec e Samuel!!! Acho de mais esta oportunidade de nos seguidores do blog, termos a possibilidade de conhecer autores e livros novos, pois creio que atualmente não devemos só ler os livros " da moda" mas diversificar nossas leituras e gêneros de leitura, e ainda mais importante é valorizar nossos amados autores nacionais. Adorei conhecer um pouco mais sobre o autor, e quando li a entrevista com certeza me lembrei na infância, que amava criar historias assim como o Alec, mas claro que isto era quando criança, mas é demais poder imaginar que algo que ele amava desde pequeno conseguiu e esta concretizado!! Parabéns pela entrevista e desejo cada vez mais sucesso para o Alec nesta sua trajetória!!
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  19. Outra entrevista muito bacana. Hoje em dia a literatura brasileira está sendo mais valorizada e isso é algo realmente muito importante. Tem tantos autores bons, mas que não recebem a atenção que merecem.

    ResponderExcluir
  20. Gostei bastante da entrevista. O Alec e eu temos uma coisa em comum: Começamos no mundo da leitura através dos quadrinhos da "Turma da Mônica".
    Achei essa ideia de uma autobiografia fantástica bem interessante e criativa.
    Sucesso ao Alec!!!!

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  21. Muito legal esse espaço que o blog dá para valorizar os novos autores nacionais.
    Mais um autor que terá um futuro promissor na literatura, escrevendo fantasia, e só mais uma coisa, quero conhecer mais sobre suas obras!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, e volte sempre!
Comente, opine! Cometários são sempre bem vindos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...