[Resenha] Filha da Profecia - Juliet Marillier

A história de Fainne, criada pelo pai, Ciarán, em uma terra distante. Ao se tornar adolescente, ela é visitada pela avó, a malévola feiticeira Lady Oonagh, que a obriga a embarcar em uma terrível missão: infiltrar-se na família, em Sevenwaters, e impedir que seu tio Sean e seus aliados reconquistem as Ilhas sagradas – invadidas há gerações pelos escandinavos.Educada pelo pai usando seus dons de magia para o bem, ela, no entanto, agora se vê forçada a usar de artimanhas e maldade para atingir os objetivos de vingança de sua avó.


Série: Trilogia Sevenwaters – vol. 3
Autor: Juliet Marillier
Ano: 2014
Categoria: Fantasia, ficção
Nota: 5/5


Oi gente, tudo bem?

Finalmente terminei a Trilogia Sevenwaters, uma série maravilhosa de Juliet Marillier, baseada em mitologia celta.



Filha da Profecia é continuação de Filha da Floresta (resenha) e Filho das Sombras (resenha), dá sequência a história do povo de Sevenwaters, acontecendo aproximadamente 17 anos após o final do segundo livro, ou seja, duas gerações após o final do primeiro livro. Em Filha da Floresta tivemos a incrível e altruísta Socha, uma da melhores protagonistas que já vi. Filho das Sombras traz a história da geração seguinte, com os filhos de Sorcha, e agora, em Filha da Profecia, temos a saga de seus neto. Após acompanhar três gerações dessa família incrível, finalmente temos o encerramento da luta entre irlandeses e bretões pelas ilhas místicas, uma guerra que durou várias gerações e tirou várias vidas de ambos os lados.

Novamente temos uma protagonista feminina, que narra e conduz a história, a jovem Fainne. Porém, diferente das protagonistas anteriores, Fainne não foi criada em Sevenwaters, cercada pela floresta e seus seres mágicos. A jovem cresceu em uma gruta em Kerry, um povoado litorâneo, isolada e tendo como companhia o pai, que lhe ensinou a arte da feitiçaria, mas também o conhecimento dos druidas. Sua vida só não foi absolutamente solitária porque, ainda criança, ela fez amizade com Darragh, um menino dois anos mais velho, que fazia parte de um grupo de viajantes nômades que passavam os verões em Kerry.

Eu era a filha de um feiticeiro. E a filha de um feiticeiro não podia ter amigos ou sentimentos. Não podia se dar a esse luxo. Bastava ver meu pai. Até tentou ter uma vida diferente, e tudo que conseguiu foi dor e desgraça. Era melhor eu me concentrar na prática da magia e deixar o resto de lado.

Pág. 50

Quando estava com aproximadamente 15/16 anos, seu pai decide que é hora dela se unir a sua família em Sevenwaters, o que a irrita muito, pois ela cresceu acreditando que estes foram os responsáveis pela ruína e infelicidade de seus pais, e não tem vontade de conhecer ou se aproximar destes parentes. Nesse momento sua avó paterna, a temida e poderosa feiticeira Lady Onnagh, entra no meio, e não lhe dá outra opção. A feiticeira toma como missão aperfeiçoar os poderes da neta, e usa de ameaças conta o próprio filho, e subterfúdios para obrigar a menina a realizar seus planos maléficos.

(…) tudo que eu tinha, tudo que era era, devia a meu pai. E para salvá-lo precisava estar disposta a fazer o impensável. Já tinha demonstrado minha força. Mas não suportaria que alguém viesse me fazer perguntas a respeito.

Pág. 77

Assim, para proteger seu pai de sua avó odiosa, Fainne segue em direção a Sevenwaters, sabendo que sua chegada só levará dor e destruição para aquela família. 

Fainne é uma protagonista diferente das anteriores, talvez porque suas antecessoras tenham sido sempre muito fortes e determinadas ao seguirem o caminho do bem, enquanto Fainne se deixa manipular pela avó e acaba sendo responsável por muita coisa ruim. Mas foi legal observar o amadurecimento da personagem. Ela cresceu acreditando que nunca poderia ser boa e trilhar o caminho da luz, por ter sangue de feiticeiros, um sangue amaldiçoado, e por isso se mostrou muito fraca em vários momentos. Mas ela evolui e amadurece, ao mesmo tempo que vai conhececendo sua família materna em Sevenwaters, e conhecendo a si mesma. E talvez por isso Fainne seja uma personagem muito mais real e humana.

Eu não era uma filha de Sevenwaters. Qualquer caminho que eu escolhesse acabaria por destruir tudo que eles haviam lutado tanto para manter.
Pág. 368


Filha da Profecia é um livro lindo e emocionante. Assim como nos anteriores, o caminho trilhado pela protagonista é sofrido e doloroso. O romance não teve muito destaque aqui, embora estivesse presente todo o tempo. Achei o relacionamento entre Fainne e seu amado, lindo, pois foi algo inocecente e puro, que foi desenvolvido sem que eles próprios percebessem.

Vários personagens dos livros anterores estão presentes, novos nos são apresentados. E o final foi emocionante e um fechamento digno de uma série tão linda e emocionante. Todas as perguntas foram respondidas, e não ficou pontas soltas.

As maiores armas eram as do coração: ódio, dor, medo e amor. Esta, então, era a arma mais poderosa.

O trabalho da Editora Butterfly está, mais uma vez, impecável. O papel é amarelado e a letra grande. Há detalhes no início de todos os capítulos, e a capa é maravilhosa! Não percebi erros de tradução ou revisão, porém teve um coisa nesse sentido que me incomodou. A tradução de uma palavra, uma única palavra, serviu como um enorme spoiler, e acabou revelando demais sobre o desfecho da história. Fiquem tranquilos que não vou falar que palavra é essa ou onde ela está, porém acredito que qualquer um que esteja lendo o livro vá pegar ou pelo menos desconfiar do spoiler muito rápido.

Apesar do encerramento da trilogia, o livro não é o fim da história do povo de Sevenwaters. A autora escreveu outros livros sobre esse povo incrível. Porém ainda não sei se a Editora Butterfly irá publicá-los.

Recomendo demais essa série, é simplesmente maravilhosa! E não tenham preguiça dos livros serem muito grossos (todos tem mais de 600 páginas), porque a leitura compensa e vale muito a pena.

Beijos







.

25 comentários

  1. Olá! Já vi algumas resenhas dessa série. Mas sendo sincera, ela não me interessa nem um pouco! Por mais dos tantos elogios que já li, não é o tipo de livro que curto. Mas achei a capa e o enredo sensacional, com certeza deve ser tão emocionante quanto parece ser.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma série incrível, mas acho que é boa para quem curte o estilo, porque os livros são grandes, rs
      beijos

      Excluir
  2. Oi Bruninha tudo bem, eu li o primeiro livro que é ótimo, é bem o gênero que gosto de ler, e ainda não li o segundo, nesse ultimo livro não acredito que aquela megera ainda está viva, espero que ela tenha um final bem doloroso kkk
    Bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk, ela é uma megera mesmo,
      beijos

      Excluir
  3. Oi, Bruna!
    Muito estou muito curiosa com esses livros.
    É interessante a forma como cada um é referente a uma geração diferente do outro.
    O enredo me chamou bastante atenção, o livro está indo para minha lista de desejo.
    Beijos
    Construindo Estante || Facebook Tem promoção de Halloween lá no blog. Não fique fora dessa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu gostei dessa questão das gerações, porque torna mais real, mesmo sendo uma fantasia. Disputas entre nações nunca é uma coisa que se resolve rápido, ainda mais naquela época
      beijos

      Excluir
  4. Oi Bruna, tudo bom?
    Não conhecia a trilogia, mas fiquei feliz com a sua resenha.
    Esse é o tipo de história que me ganha logo nas primeiras linhas da sinopse.
    A capa, como você mesma disse, é lindíssima.
    Fico muito feliz quando a editora faz um bom trabalho de diagramação.
    Grande beijo ♥

    Thati;
    http://nemteconto.org

    Sorteio de "As Sete Irmãs", de Lucinda Riley, no blog.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Bruna.

    Eu li esses dias atrás uma resenha do primeiro livro dessa serie e me pareceu bem interessante, então com isso só dei uma lida por cima da sua resenha pra não pegar spoiler. Sabe o que eu sempre reparo nas resenhas que leio? As notas dadas pelos resenhistas, isso conta muito pra mim. Mas as vezes livros com notas baixas me atraem também, fico querendo saber o que pode ter sido tão ruim naquela leitura.

    Visite: http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu também gosto de reparar nas notas. Já li vários livros com notas baixas, mas que eram o tipo de leitura que precisava no momento, mas ver um livro só com notão incentiva ainda mais, rs
      beijos

      Excluir
  6. Oi Bru!
    Não vejo a hora de continuar a trilogia, mas eu queria reler Filha da Floresta antes rsrs
    Bom saber que o nível se mantém, eu virei fã da Juliet e quero muito ler outros livros dela, e ela tem MUITOS. rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também virei fã, e agradeço a você, por ter recomendado tanto Filha da floresta, rs
      beijos

      Excluir
  7. Oi Bru..
    Sempre quis ler A filha da floresta, mas acabou que ficou tempo demais na minha lista e até hoje nada. Que bom que terminou a trilogia tão maravilhada com o livro.
    Fico mais curiosa ainda. Pelo menos você tem outros livros dela para degustar.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. recomendo muito a série, Leticia, quando puder, leia sim, rs
      beijos

      Excluir
  8. Livros grandes? Adooooro *-* Tenho muita vontade de ler essa trilogia, só vejo elogios pra história. As capas são muito lindas.

    ResponderExcluir
  9. Livro e autora totalmente novos pra mim, mas curti muito a resenha.... só fiquei meio perdida com tantos personagens e nomes difíceis.

    ResponderExcluir
  10. Adoro um livro bem grande rs, eu ainda não li nenhum desta serie e acho que tenho o primeiro aqui rs, é tanto livro que me perco rs,
    não tenho como falar o que acho da serie pois ainda não a conheço.
    Mas pela sua resenha, ela deve ser muito bem escrita, em breve começo a leitura, beijos.

    ResponderExcluir
  11. Ainda não li nenhum livro dessa série, mas adorei a resenha e tô querendo muito ler esse livro, só ouço comentários bons a respeito dele!

    ResponderExcluir
  12. Eu não sabia que se tratava de uma série,conheço Filha da Floresta mas pelas capas serem bem diferentes nem me remeteu que faziam parte da mesma história.Os livros são grandinhos mesmo mas deve valer muito a pena ainda mais que fechou muito bem.

    ResponderExcluir
  13. Gosto muito de mitologias, Bruna, mas ainda não li nada sobre a Celta e confesso que fiquei curiosa. Adorei o fato de um ente da família da protagonista ser feiticeira: a avó. Eu adoro livros que envolvam esse tipo de enredo.

    ResponderExcluir
  14. Sou apaixonada por qualquer livro ou filme que envolva feiticeiros,bruxos ou fadas,mais resumidamente:magia,e ai com essa resenha:com certeza daqui uns dias esse livro vai estar no meu skoob,com legenda ''tenho'' e ''já li''...

    ResponderExcluir
  15. Já algumas resenhas dos livros mais nunca tinha prestado muita atenção, vou dar uma chance para a trilogia daqui um tempinho...

    ResponderExcluir
  16. Mas nós ficamos felizes quando uma série é finalizada com chave de ouro, né?!?! São poucos os autores que conseguem amarrar todas as pontas, e ainda deixar os leitores satisfeitos com todos os desfechos. Enfim, quero ter a oportunidade de ler muito em breve, pois me amarro em livros com Mitologia, seja ela de qualquer lugar.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  17. Primeira vez que ouço falar da trilogia.
    Confesso que fantasia não é um dosgeneros preferidos pra mim mas como os livros parecem ser otimos coloquei ma minha lista de desejos..
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
  18. oi eu adoro a trilogia e me disseram que tem o quarto livro e que ele é com Clodagh ou com Maeve , não sei se é verdade mas estou esperando que ele chegue nas livrarias,já procurei mas não acho.gostaria de saber onde posso encontrar!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, e volte sempre!
Comente, opine! Cometários são sempre bem vindos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...