Entrevista com Catherine McKenzie

Olá, pessoal, tudo bem?

Ontem postei a resenha do livro Desaparecida, de Catherine McKenzie, e hoje teremos uma entrevista feita com a autora, pelos blogueiros parceiros da Leya Brasil.

Conheçam um pouco melhor a autora e a construção do livro desaparecida.


1. A personagem principal teve inspiração em você? Em algum momento teve vontade de começar do zero? (Oliver)
R: A personagem principal não foi baseada em mim, mas em uma história que ouvi sobre uma pessoa que ficou doente enquanto estava na África. Quando ela retornou à sua cidade, alguém estava morando em seu apartamento e todos os seus objetos foram jogados fora. Achei que esta era uma boa premissa para explorar temas sobre os quais já andava pensando. E se alguém não quisesse uma segunda chance para fazer as coisas da forma certa?

2. Quais são suas maiores influências literárias? Quais autores mais influenciam seu trabalho como escritora? (Loren-Louise)
R: É difícil escolher um único autor porque sou uma leitora voraz de diversos gêneros. Acho que o que mais influenciou minha escrita foi ler, ler e ler, possibilitando que eu aprendesse o máximo que eu pudesse sobre escrever.

3. A África não é comumente vista na lista de lugares mais desejados para se visitar, de onde surgiu a ideia? É algum toque pessoal seu? (Andreia Leal - Mais que Livros)
R: A história foi realmente baseada em outra que eu ouvi. Também tive um amigo que morou na África por cinco anos, então eu consegui escrever baseada na experiência dele.

4. A inserção do suspense no fim do livro trouxe bastante dinamismo a história, quando você começou a escrever o livro, você já tinha pensado em inserir esse elemento? (Andreia Leal - Mais que Livros)
R: Obrigada. Não tenho certeza de quando exatamente decidi adicionar o mistério ao livro, mas com certeza surgiu enquanto eu pensava no livro – um processo pelo qual sempre passo antes de começar a escrevê-lo.

5. Seus personagens são baseados em pessoas reais ou são totalmente fictícios? (Andreia Leal - Mais que Livros)
R: Totalmente fictícios.

6. Eu levei menos de um dia para concluir a leitura desse livro, mas quanto tempo você levou para escrevê-la? (Andreia Leal - Mais que Livros)
R: Ha! O primeiro rascunho demorou mais ou menos um ano para ser escrito, então vieram muitas revisões. Mas fui interrompida algumas vezes por conta de outros projetos.

7. Fui procurar "Tswanaland" no Google e as únicas páginas em português que aparecem são uma referência ao livro. Como você descobriu esse pedacinho da África? E por que o escolheu para ser cenário da tragédia? (Giulia - Prazer, Me Chamo Livro)
R: Eu quis descrever um país que tivesse as características geográficas que eu pensava, então olhei um mapa da África e encontrei o que procurava. Pesquisando sobre a área, descobri que parte dela foi originalmente chamada assim, ou algo similar a isso; foi daí que surgiu o nome. Acho que os nativos se chamam Tswana.

8. Todos nós temos uma coleção de recordações de viagem. Eu compro ímãs em cada lugar que vou, alguns juntam canecas, outros preferem enfeites. Emma gosta de guardar a terra de onde pisou. Você ou algum conhecido seu faz isso? Existe algum simbolismo ou significado dessa lembrança na vida real ou na história? (Giulia -Prazer, Me Chamo Livro)
R: Eu realmente fiz isso – guardar a terra de um lugar que estive (Ilha do Príncipe Edward¹) – quando eu era adolescente. Guardei porque era tão bonita! Mas esqueci disso até agora. Engraçado como o subconsciente funciona.
¹é uma das dez províncias do Canadá

9. Em algum momento você cogitou alterar o final e apresentar uma Emma totalmente transformada e altruísta? (Giulia - Prazer, Me Chamo Livro)
R: Eu deliberadamente rejeitei essa ideia porque acho que seria um desfecho previsível, é a forma que filmes desse gênero terminam: experiência de quase morte = você precisa se tornar uma pessoa melhor, diferente. Eu quis explorar o que acontece quando todo mundo quer que você aja dessa forma, mas você não.

10. A capa brasileira mantém alguns elementos da [capa] original - uma menina de costas na estrada carregando uma mala -, mas inova tanto no cenário quanto na inserção de elementos femininos. O que você achou dessa mudança? Isso aproxima ou afasta o leitor da essência da história? (Giulia - Prazer, Me Chamo Livro)
R: Eu realmente amei a capa brasileira, é uma das minhas favoritas de todos os meus livros. Acho que se encaixa perfeitamente ao livro.

Capa Original X Capa Brasileira

 

Ps. Prefiro a capa brasileira, tão linda!

Bom gente, é isso. Espero que tenham gostado.

Beijos


Post neutro para o Top Comentarista

.

16 comentários

  1. Oi Bruna.
    Eu li essa entrevista em alguns blogs e achei muito bacana, e o que mais chamou minha atenção foi o fato da autora guardar terra do locai visitado.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  2. Oiee

    Adorei a entrevista com a autora, e realmente a capa do livro brasileiro tem mais haver e chama muito mais atenção.

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  3. Legal conhecer alguns pontos que na minha opinião faltou esclarecer no livro! Adorei!
    Bjkas

    ResponderExcluir
  4. Gostei da entrevista com a autora, a capa brasileira é muitooo mais bonita.
    *-*

    ResponderExcluir
  5. A capa do Brasil da de 10 a 0 né?! hahaha adorei a entrevista e achei muito fofo da parte dela ser tão querida com as blogueiras!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  6. Eu já tinha lido essa resenha, Bruna. Fiquei abismada com a chiqueza de vocês, incrível. Vocês estão podendo mesmo. A autora é um doce de simpatia e gostei muito pelo fato de ela se basear em uma história envolvendo alguém da África, bem comovente.

    ResponderExcluir
  7. adorei a entrevista ! a capa brasileira é muuuuuito mais linda !

    ResponderExcluir
  8. Oii

    Legal saber como os autores se inspiram nas personagens, geralmente é sempre em alguém que eles encontraram na vida.
    Tem autores que demoram mais para escrever os livros.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Já vi a entrevista em alguns blogs, e achei a escritora super simpática, e contou sobre suas passadas no país e teve várias experiências além da sua obra, que deve ser muito boa de se ler.
    Um beijo Bruna, até mais.
    ThaynáQ.

    ResponderExcluir
  10. A capa americana é bonita também, mas a brasileira com certeza ganha! Adorei a entrevista.

    ResponderExcluir
  11. Eu não conhecia a autora, Já o livro eu também prefiro a capa brasileira, achei mais linda.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Bruna.

    Não gosto destes post coletivos que a LeYa propõe, mas não podemos fazer nada.
    Acho que a entrevista deveria ter sido divulgada primeiro entre TODOS os blogs, nos mesmo do Paradise nem mandamos perguntas porque não sabíamos.
    Curti saber um pouco mais da autora. Irei terminar de ler o livro em breve.

    Visite: http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/

    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Gostei bastante dessa entrevista, autora muito simpática. E claro, a capa brasileira é mais bonita! :)

    ResponderExcluir
  14. Muito bacana a entrevista ^^
    A capa brasileira é muito diva <33
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  15. Eu estou doida para ler este livro, mas ainda não tive tempo. Gostei muito da entrevista e de conhecer um pouco mais sobre a autora que por sinal é muito gente boa.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, e volte sempre!
Comente, opine! Cometários são sempre bem vindos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...